Dia Mundial de Conscientização do Autismo

Dia Mundial de Conscientização do Autismo

 

Dia 2 de abril é o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, um transtorno global do desenvolvimento. A maioria dos pais de crianças com autismo suspeita que algo está errado antes de a criança completar 18 meses de idade e busca ajuda antes que ela atinja 2 anos. Algumas crianças com autismo parecem normais antes de um ou dois anos, mas de repente “regridem” e perdem as habilidades linguísticas ou sociais que adquiriram anteriormente. Esse tipo de autismo é chamado de autismo regressivo.

As crianças com autismo normalmente têm dificuldade em:

  • Brincar de faz de conta
  • Interações sociais
  • Comunicação verbal e não verbal

Uma pessoa com autismo pode:

  • Ter visão, audição, tato, olfato ou paladar excessivamente sensíveis (por exemplo, eles podem se recusar a usar roupas “que dão coceira” e ficam angustiados se são forçados a usálas)
  • Ter uma alteração emocional anormal quando há alguma mudança na rotina
  • Fazer movimentos corporais repetitivos
  • Demonstrar apego anormal aos objetos.

Existem diversos sintomas que podem indicar autismo, e nem sempre a criança apresentará todos eles. Entre os grupos de sintomas que podem afetar uma pessoa com autismo estão:

Interação social

– Não faz amigos
– Não participa de jogos interativos
– É retraído
– Pode não responder a contato visual e sorrisos ou evitar o contato visual
– Pode tratar as pessoas como se fossem objetos
– Prefere ficar sozinho, em vez de acompanhado
– Mostra falta de empatia
– Resposta a informações sensoriais
– Não se assusta com sons altos
–  Tem a visão, audição, tato, olfato ou paladar ampliados ou diminuídos
– Pode achar ruídos normais dolorosos e cobrir os ouvidos com as mãos
– Pode evitar contato físico por ser muito estimulante ou opressivo
– Esfrega as superfícies, põe a boca nos objetos ou os lambe
-Parece ter um aumento ou diminuição na resposta à dor

Brincadeiras

– Não imita as ações dos outros
– Prefere brincadeiras solitárias ou ritualistas
– Não faz brincadeiras de faz de conta ou imaginação

Comportamentos

– Acessos de raiva intensos
– Fica preso em um único assunto ou tarefa (perseverança)
– Baixa capacidade de atenção
– Poucos interesses
– É hiperativo ou muito passivo
– Comportamento agressivo com outras pessoas ou consigo
– Necessidade intensa de repetição
– Faz movimentos corporais repetitivos

Sintomas
O autismo acomete pessoas de todas as classes sociais e etnias, mais os meninos do que as meninas. Os sintomas podem aparecer nos primeiros meses de vida, mas dificilmente são identificados precocemente. O mais comum é os sinais ficarem evidentes antes de a criança completar três anos. Na adolescência e vida adulta, as manifestações do autismo dependem de como as pessoas conseguiram aprender as regras sociais e desenvolver comportamentos que favoreceram sua adaptação e auto-suficiência.

Diagnóstico
O diagnóstico é essencialmente clínico. Leva em conta o comprometimento e o histórico do paciente e norteia-se pelos critérios estabelecidos por DSM–IV (Manual de Diagnóstico e Estatística da Sociedade Norte-Americana de Psiquiatria) e pelo CID-10 (Classificação Internacional de Doenças da OMS).

Tratamento
Até o momento, autismo é um distúrbio crônico, mas que conta com esquemas de tratamento que devem ser introduzidos tão logo seja feito o diagnóstico e aplicados por equipe multidisciplinar. Não existe tratamento padrão que possa ser utilizado. Cada paciente exige acompanhamento individual, de acordo com suas necessidades e deficiências. Alguns podem beneficiar-se com o uso de medicamentos, especialmente quando existem co-morbidades associadas.

Recomendações

* Ter em casa uma pessoa com formas graves de autismo pode representar um fator de desequilíbrio para toda a família. Por isso, todos os envolvidos precisam de atendimento e orientação especializados;

* É fundamental descobrir um meio ou técnica, não importam quais, que possibilitem estabelecer algum tipo de comunicação com o autista;

* Autistas têm dificuldade de lidar com mudanças, por menores que sejam; por isso é importante manter o seu mundo organizado e dentro da rotina;

* Apesar de a tendência atual ser a inclusão de alunos com deficiência em escolas regulares, as limitações que o distúrbio provoca devem ser respeitadas. Há casos em que o melhor é procurar uma instituição que ofereça atendimento mais individualizado;

* Autistas de bom rendimento podem apresentar desempenho em determinadas áreas do conhecimento com características de genialidade.

foto
Fonte: minhavida.com.br